Estupor, paralisia e presença

Publicado: maio 3, 2018 em Das coisas que se aprende

Aconteceu de madrugada. E sumiu pela sexta-feira. Dia de um tambor que não pode ter corpo, mas que urge na alma. Pequeno pedaço de memória bienal, como se pudesse ter remendos naquele cantinho de coração que não enferruja, por mais que você jogue Coca-Cola.

E hoje quando penso que lá longe a lua sobe, aquele pedaço de pele rasgada volta. Como ponto descosturado. Agulha em lã poída. Desaprender em traço e pontilhado. Pedaço de coisa que diz que viver é indutar a esquecer e perder, evocar e ceder. Reminiscência.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s