Um ponto para o caminho do meio

Publicado: agosto 11, 2011 em Contos
Tags:, ,

Querido Ponto,

eu nem cheguei a ir pro caminho do meio. Tinha uma árvore de médio porte com uma raiz exposta e folhas balançantes ao vento. Fiquei sentada lá te esperando como varanda em verão. Era pra ter paciência, foi o que o dia me disse. E eu passei noites procurando, em resistência. Vi estrelas de fogo, luas brandas, invernos pequenos. Senti que talvez a nuvem não mais me carregasse caso eu não te achasse. E eu não te achei. Foi quando o fio do poste caiu queimando asfalto e pedregulho que vi que tinha que te escrever. Pra dizer que tristeza é bala de hortelã grudada ao dente, resto de jujuba amarela, libélula batendo em vidro, mutantes em lados contrários. Sinto a falta das orações dali. Daqui só frases soltas. Talvez você tenha encontrado cores por onde anda, talvez seja o mundo preto claro. Nunca vou mandar esta carta porque não tenho selo, mas carrego aqui salivas para fechá-la. Espero que esteja bem, em qualquer lugar além.

Com amor, Vírgula.

Anúncios
comentários
  1. as tags ficaram ótimas!!! hahahahahahaha

    ah! tentei ilustrar isso e fumei girassol
    http://sunflowerssmoking.tumblr.com/post/8787829018/o-caminho-do-meio-para-hanny-saraiva

    um beijo e obrigado pela troca. sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s