A hora de amanhã

Publicado: maio 9, 2011 em Contos

A menina tinha cabelos laranja repartidos ao meio, olhos grandes, casaco listrado de vermelho e branco.

A menina era feita em cartoon, desenho de mão ou traço e linha. Estava parada bem em frente dela porque sorria. Parada em imagem fixa. Dentro da mente. Aquela que parece saída do vidro sujo de uma viagem de ônibus.

A menina não tinha pintinhas nas bochechas nem no ombro nem na mão. Talvez fosse branca de papel. Ela balançava a cabeça pra cima e pra baixo porque ouvia uma canção vinda pelo ar. Aquela que ecoa pelo alto.

A menina tinha meia e sapato de boneca de uma cor que ela não lembrava. E ela não lembrava de muita coisa porque todo dia ela via a menina. A menina balançava a cabeça para um lado e para outro como se soubesse que ela não sabia porque via a menina.

As duas ficavam sozinhas cada uma em um canto de algum lugar. Talvez a música e só a música fosse o único elo. Talvez um dia fossem mãe e filha. Talvez um dia se esbarrassem como moça grande e menina pequena. Talvez dançassem sozinhas na frente do reflexo das janelas de casas alugadas porque acreditavam que imagens eram divertidas. Talvez. E talvez se.

A menina tinha sorriso como o sorriso dela. Dentes alinhados por fio dental descartável. E um desejo desses que ficam debaixo da língua. Salivando até passar por mucosa e campainha. As bocas naturalmente rosadas não gostavam de amendoim crocante.

A menina dava tchau no antes do sonhar e ela murmurava em breve. Assim em dias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s