Tarde

Publicado: julho 8, 2010 em Contos
Tarde. Duas horas. Alguns segundos e todos os milésimos congelados. O pano colorido balançava conforme o tempo corria. Balançava e esticava-se. De dentro trazia algumas cravelhas. Alguma tensão aplicada à corda. Algum eixo de rotação de peça. Algo perpendicular.

Não tinha necessidade de lubrificação, pois a demarcação individual era satisfatória. Mas a mão que agarrou a pureza e ensinou como se fazia era insuficiente. Era uma mão que retirava violência, que ansiava beleza, que cortava sons. Era uma mão que pedia silêncio para as mil coisas que não devíamos saber.

E era dela que os dedos vibravam. Que explodiam calor e frio. Que contornavam o ar pedindo ajuda. Ajuda para acalmar a pele, estabilidade para as imagens e fechamento de olhos para não perder lembranças. Já que lembranças escorregavam conforme iam sendo tocadas. Já era tarde. Duas horas. Alguns segundos e todos os milésimos congelados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s