O furo

Publicado: julho 5, 2010 em Contos
Eram dois os olhos, furados como buracos em chão de areia. Eles observavam o céu. Furados como meias. E eram do tipo olhos que esfaqueiam. Daqueles que basta uma piscadela que você despenca como dominós em cadeia.

João tinha esses olhos, mas eles os descartava toda vez que anuviava por suas bandas. Gostava só de sentir o cheiro do céu, portanto colocava os olhinhos em um copo transparente de vidro e depois com os dedos abria e fechava as pálpebras. Não via nada, mas tinha prazer em tocar suas próprias íris enquanto no céu uma nuvem pesada rasgava.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s