Morro

Publicado: julho 3, 2010 em Contos
Eram lisas as pedras no morro. Eufóricas. E a luz do Sol que batia nas partes mescladas parecia uma boca falante. Havia nelas musgo por onde o vento passava e ia e vinha como vapor barato. Havia o espaço por onde algo passava. Um vão. Uma colher de cavidade. Um tiquinho de densidade de ar. O sopro que mexia. Era um quê de paciência que ronda os mundos porque para enxergar as coisas era preciso estender o tempo.

E não era o tempo que corroía as pedras, era a luz e o Sol que surgia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s