Do pânico

Publicado: março 9, 2010 em Contos
Em uma tarde bela e fresca linda Maria percorreu livremente a serra com um facão a pulso e seios à mostra. Ela gostava de matar. Matava vespinhas que paravam os carros para apreciar a vista humana e matava mosquitinhos que subjugavam conhecer a essência da alma mamífera.

Ela apareceu na TV, mas decidiu negar entrevistas. De vez em quando podemos encontrar resto de sangue pelos matinhos virgens, mas peito que é bom livre, nada.

Anúncios
comentários
  1. nada de peito? sa-ca-na-gem!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s