A primeira vez.

Publicado: setembro 12, 2008 em Contos
Ela estava suspensa no cômodo da cozinha. O sangue subia à cabeça, latejando como corte de navalha. Como se abrisse lentamente a pele e de dentro, um Mar Vermelho explodisse. Pensou nas vezes que choramingava com cortes de resmas de papel ou quando batia a cabeça na ponta da janela. A dor física chegava adormecer a pele. Os furinhos, bem os furinhos, metricamente arredondados. Onde o ar entrava e saía como sopros em canudos de plástico. Tentou esticar o braço para tocar a mesa.

Doía.

Não entendeu quando seus olhos umedeceram. Reações biológicas, pensou.
Tentou abri-los mais. Compenetrou-se. Levou à mão ao pescoço.

Seu físico tremia como se levasse pequenos choques. Descargas elétricas cerebrais, pensou.

Quando achou que o pior tinha passado, as protuberâncias explodiram em sua gengiva. Finas, afiadas, delicadas, presas que lembravam a garganta de um tigre. Pensou que tinha morrido, mas o sangue insistia em mostrar a eternidade e seu gosto. Caçaria à noite e moraria no frio.

Ironicamente, enquanto seu corpo se acostumava pela primeira vez a ter necessidade sanguínea, seus olhos lacrimejaram quando ela conseguiu tocar a mesa. Os alhos foram amassados com a ponta dos dedos.

Anúncios
comentários
  1. Fernanda disse:

    Adorei o miniconto vampírico; chega a ter gosto salgadinho. 🙂 Escreves muito, muito bem! Sucesso grandão com o blog!!!

  2. Michell Niero disse:

    Esse é o tipo de dor que a gente tem quando não se enxerga com os olhos dos outros: um tremendo de um prazer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s